Cachorro perdido segue e entra em caminhonete; motorista faz campanha para achar o dono em Cuiabá | Mato Grosso


    Uma motorista passou por uma situação inusitada enquanto dirigia, nesta sexta-feira (8), pelas avenidas de Cuiabá. Emanuelle Divino, que trabalha no ramo de tapeçaria, estava a caminho de uma cliente quando foi alertada por outros motoristas de que um cachorro estava seguindo o carro dela.

    Ela só percebeu o cachorro quando estacionou em uma loja na Avenida Coronel Escolástico, no bairro Bandeirantes, na capital. Os motoristas disseram que ela estava sendo seguida desde a Avenida Fernando Corrêa, uma distância de cerca de 500 metros.

    Cachorro perdido segue e entra em caminhonete e motorista faz campanha para achar o dono em Cuiabá — Foto: Arquivo pessoal

    O cão parece ser de idade adulta, é macho e saudável.

    “Os motoristas estavam buzinando e eu não estava entendendo. Jogaram luz e falavam comigo e eu não entendia o que estava acontecendo, aí disseram que um cachorro estava me seguindo”, contou ao g1.

    Ela mora na região do Coxipó, local bem distante de onde o cachorro a estava seguindo.

    “Quando parei e abri a porta, o cachorro passou pelo vão das minhas pernas e subiu no carro. Daí ele não saiu mais. Tentei tirar e ele não saiu. Eu não conheço esse cachorro e nunca tinha visto”, disse.

    Emanuelle gravou um vídeo e divulgou no WhatsApp e em redes sociais para tentar localizar o dono do cachorro.

    Depois, decidiu voltar para a empresa dela, no Coxipó, para deixar o cachorro em segurança e poder seguir com o trabalho.

    “Como que eu vou abandoná-lo na rua? Ai eu ia ficar pior. Quem for o dono, por gentileza, ele está comigo e ele não desce do carro de jeito nenhum. Eu esto rindo porque essas coisas só acontecem comigo”, brincou.

    Emanuelle disse que não pode ficar com o cachorro porque já tem outros seis cães. Inclusive, um das cachorras teve filhotes e ela também terá que doá-los.

    “Aconteceu essa loucura e acho que há algum propósito para esse cachorro entrar no meu carro, não sei se foi um livramento [de algo que poderia acontecer], vai saber. Às vezes pode ser de uma criança que está sentindo falta. Ele está bem perdido”, comentou.