Com a queda de internações, MT deve desativar leitos exclusivos para Covid-19 | Mato Grosso


    O secretário de Saúde de Mato Grosso, Gilberto Figueiredo, anunciou, nesta semana, que o estado já planeja desativar os leitos exclusivos para pacientes com Covid-19. Os leitos serão usados por outros pacientes, que não estão com a doença, e que também precisam de tratamento intensivo.

    Figueiredo explicou que a medida será tomada depois que o governo avaliou que há uma queda na taxa de ocupação, não só no estado como no Brasil.

    Estado vai desativar parte dos leitos de UTI exclusivos para pacientes com Covid

    Ele explicou que um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) tem um custo altíssimo, mesmo se há ou não um paciente nele.

    “Graças a Deus e pela queda da hospitalização, nós vamos desativar e deixar de ter esse custo para poder reativar leitos ampliar leitos de UTI em outras especialidades”, disse.

    Com isso, outros hospitais que tiveram que adaptar os leitos para pacientes com Covid-19 poderão atender outros tipos de paciente que também necessitam do tratamento mais intensivo.

    “Agora nós temos equipamento, temos estruturas que podem vir a somar as necessidades do SUS que nós não tínhamos antes da pandemia. Pode-se dizer que existe um legado: aquilo que nós adquirimos para esse enfrentamento vai continuar servindo à saúde”, afirmou.

    Ainda de acordo com o secretário, há mais de 300 leitos disponíveis para se transformarem em leitos de UTI convencional.

    A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde desta quarta-feira (1°), 521.353 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 13.497 óbitos em decorrência do coronavírus.

    Nas últimas 24 horas, foram notificadas 1.024 novas confirmações de casos da doença. Dos 521.353 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 6.773 estão em isolamento domiciliar e 500.043 estão recuperados.

    Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 247 internações em UTIs públicas e 159 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está 47,23% para UTIs adulto e em 24% para enfermarias adultos.