Governador, TJMT e MP fazem vistoria em baías do Pantanal nesta sexta-feira | Mato Grosso


    O governador Mauro Mendes (DEM) e equipes do Ministério Público Estadual, Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema), Procuradoria Geral do Estado (PGE), Secretaria Estadual de Infraestrutura e Logística (Sinfra), Prefeitura de Barão de Melgaço e da Assembleia Legislativa fizeram uma vistoria nas Baías de Chacororé e Siá Mariana, em Barão de Melgaço (MT), nesta sexta-feira (10).

    O objetivo foi discutir e encontrar a melhor solução para minimizar o efeito da estiagem que tem secado as baías e construir soluções de médio e longo prazo.

    Em julho deste ano, a Justiça determinou que o governo apresentasse um plano de ação para salvar as baías de Chacororé e Siá Mariana, que correm risco de secar.

    De acordo com o govenador, esse é um trabalho técnico, que vai demandar estudos complementares sobre os impactos ambientais das intervenções. A seca no país é a pior dos últimos 100 anos e as medidas irão mitigar os efeitos da seca.

    Governador, TJ e MP vistoriam baías no Pantanal de MT — Foto: Mayke Toscano/Secom-MT

    O governo informou que vai desobstruir corixos (córregos que abastecem o alagado) e pensar soluções técnicas.

    A comitiva visitou de carro os principais corixos, entre eles, o corixo Caiçara, da Uva, Manuel Domingos, e a barragem do corixo do Tarumã, os Rios Cupim, Chacororé e Água Branca, além de quatro pontos na rodovia MT-040.

    Segundo a Sema-MT, periodicamente, há problemas de seca na localidade, como a que ocorreu em 2010.

    Apesar do nível mais baixo dos rios, algumas ações de prevenção realizadas no início do ano fizeram com que a água chegasse até a Baía nos primeiros meses.

    Baía de Chacororé, no Pantanal de MT — Foto: Secom-MT

    O local é um atrativo turístico de Mato Grosso, conhecido como berçário do Pantanal. A Baía de Chacororé é a maior área alagada do Pantanal mato-grossense.

    No início do ano, a Sema e a Sinfra realizaram a limpeza de corixos e intervenções em pontes que estavam obstruindo o canal da água, e em estradas que haviam sido feitas com aterros, que também interrompiam o curso natural da água. As ações emergenciais surtiram efeito, e as Baías não secaram como no ano de 2020.

    A Sema também apresentou o plano de ação para garantir a biodiversidade das baías, e se reúne para obter o consenso com os órgãos envolvidos sobre as melhores ações a serem tomadas para a preservação do Bioma.